De acordo com a ABF, o setor de franquias cresceu 6,8% no segundo trimestre do ano

O mercado nacional de franquias cresceu, no segundo trimestre deste ano, 6,8% no faturamento em comparação ao mesmo período de 2016 – é o que aponta uma pesquisa Trimestral de Desempenho de Franchising, da Associação Brasileira de Franchising (ABF). A receita subiu mais de R$ 2 bilhões – de R$ 35,180 bilhões para R$ 37,565 bilhões. Ainda, no semestre, o setor manteve um ritmo de crescimento nominal de 8%, passando de R$ 68,890 bilhões para R$ 74,428 bilhões.

De acordo com a gerente de Inteligência de Mercado da ABF, Vanessa Bretas, o resultado de 2017 foi melhor que o do ano passado, ainda que a expansão no trimestre tenha sido menor que a registrada em igual período de 2016 – 8,1%. O fato é que a Associação leva em conta que a inflação deste ano foi bem menor que a do ano passado.

Vanessa Bretas informou ainda que as redes franqueadoras conseguiram ter um incremento considerável no volume de vendas das operações no trimestre – “O aumento do desempenho das operações já abertas puxou de maneira considerável esse resultado”, ressaltou a gerente de Inteligência de Mercado. O quadro de inflação sob controle e de juros em queda também contribuiu para o resultado. Além disso, também houve uma melhora relativa no Índice de Confiança do Consumidor – que afetou tanto o franchising quanto o varejo de uma maneira geral.

Em relação aos segmentos, o de hotelaria e turismo foi um que se destacou no segundo trimestre de 2017– ano passado foi um ano difícil para o setor que conseguiu se recuperar, crescendo 10,1%.

Ainda, segundo a Associação Brasileira de Franchising, o ramo do franchising se adaptou ao novo cenário configurado pela crise econômica que assola o país e pelos novos modelos de negócio de economia compartilhada – com destaque para as operações virtuais.

O setor de beleza, bem-estar e saúde foi outro segmento que demonstrou bom desempenho – com variação de faturamento de 9,4%. De acordo Vanessa Bretas, o setor tem inovado em modelos de negócios. As redes franqueadoras têm investido na venda direta porta a porta, “sempre conciliando com seus franqueados”, concluiu a gerente de Inteligência de Mercado da ABF.