Número de funcionários da Odebrecht no exterior reduziu pela metade

A imagem da Odebrecht ficou muito abalada também no exterior, depois que os escândalos envolvendo a empresa, começaram a ser divulgados na Operação Lava Jato. Projetos no Panamá, México e Colômbia, foram cancelados e a Odebrecht com um número reduzido de obras, foi obrigada a reduzir o seu quadro de funcionários, já que o seu lucro em 2016 foi menor.

Seguindo em frente, a empresa adotou no exterior o mesmo método que no Brasil, ela procurou fazer acordos de leniência, tentou recuperar seus negócios e pediu desculpas pelo envolvimento dela, nos casos de corrupção. Já foram assinados acordos com a Suíça, Equador, Panamá, República Dominicana e com os EUA, sendo que ela está negociando com pelo menos mais quatro países.

Em alguns países, depois que a empresa fez um acordo para colaborar com o Departamento de Justiça americano, e também quando ela admitiu que fez pagamentos de propina, para conseguir ganhar licitações de obras públicas em diversos países, foram iniciadas algumas investigações.

Essa situação desencadeou várias penalidades por parte de alguns governos, em relação a Odebrecht na América Latina. No México, dois contratos foram cancelados para a construção de refinarias para a petroleira estatal,  a Pemex.  No Panamá, foi cancelado um contrato para que houvesse uma concessão de uma usina hidrelétrica. Um contrato de concessão foi rescindido pela Colômbia, de uma rodovia com 600 km de extensão, que a Odebrecht era sócia desse consórcio.

Isso acarretou interrupções, atrasos em obras e as demissões de milhares de funcionários. Na Colômbia, por exemplo, diversos trabalhadores foram dispensados, devido ao fim do contrato de concessão da rodovia e pelo fato da obra da sua duplicação, também ter sido cancelada.

Com tudo isso acontecendo, o grupo Odebrecht encerrou 2016, com a sua receita líquida 32% menor do que no ano anterior. A empresa explicou que isso aconteceu devido à queda da venda dos ativos, e na diminuição da velocidade para conseguir novos contratos, devido às investigações que estão sendo feitas em vários países.

A Odebrecht tem 78% do seu faturamento de contratos feitos em países estrangeiros, e ela declarou que as quedas se devem às reduções nas produções, que foram feitas em todos os lugares que a empresa tem atuação, e também aos fatores cambiais da nossa vizinha, a Venezuela.

O grupo Odebrecht enxugou o seu quadro, e terminou 2016 com 31.552 funcionários em outros países, sendo que em 2013, o número chegou a 63.448 funcionários, uma redução de mais de 50% do seu quadro de funcionários no exterior.