Outlets estão ganhando mercado com investimentos em áreas de lazer

Image result for outlets brasil

Mudanças estão sendo feitas nos outlets, visando aumentar o número de seus consumidores e tentando alcançar um espaço maior do mercado de pessoas que frequentam os shopping centers. O público alvo são os da Geração Y, que em muitos casos não possui carro para se deslocar para regiões mais afastadas.

Geralmente os outlets ficam perto das rodovias, longe dos centros urbanos, mas estão localizados mais próximos das cidades grandes. Devido à essa proximidade, os outlets estão fazendo investimentos em áreas de lazer, dentro desses centros comerciais, como praças de alimentação, cinemas e outras opções de lazer.

A abertura de outlets perto de grandes cidades teve início nos Estados Unidos, mas no Brasil, o começo desse tipo de local de compras com preços reduzidos foi recente, declarou o sócio-fundador da Agência Brasileira de Outlets (About), André Costa.

Nos Estados Unidos, a média em que uma pessoa visita um outlet dentro de um ano, são de cinco vezes. Mas depois que estes espaços passaram a ficar mais próximos das grandes cidades, esse número subiu para doze vezes por ano.

Em São Paulo, até o ano que vem, o Lapa City deve ser inaugurado já com todos esses entretenimentos, como também o City Aracaju, no estado do Sergipe, visando um número maior de visitações.

Os empreendimentos que já foram inaugurados, também estão promovendo essas modificações, como é o caso do  Fernão Dias Outlet , em Atibaia, que está investindo em cinemas e melhorando os espaços para entretenimento. Outro que também está promovendo melhorias no seu espaço, é o America Outlet, localizado em Feira de Santana (BA), com novas salas de cinema.

Nos Estados Unidos, nesses últimos anos, diversos estabelecimentos de departamentos e shopping centers encerraram as suas atividades.

Aqui no Brasil, também a crise desses últimos anos, fez com que o movimento em shoppings diminuísse bastante, fazendo muitas lojas fecharem, com altos prejuízos. Os shoppings que inauguraram entre 2013 e 2015, estavam com menos de 50% das suas lojas abertas.

Os outlets acabaram tendo uma oportunidade nessa crise, já que eles trabalham com mercadorias que estão com desconto, o movimento acabou não caindo, e as vendas pelo contrário ainda aumentaram.

André Costa ainda disse, que como esses estabelecimentos são conhecidos por seus descontos, a crise acabou não afetando os outlets daqui e nem os americanos.