Robôs estão progredindo suas funções para serem mais úteis e simpáticos

No mercado está começando algo conhecido nos filmes de ficção científica, a venda de robôs, que está se tornado uma realidade mais próxima a cada dia que se passa. Esses robôs são aqueles feitos para interagir com os humanos e reproduzir algumas ações que as pessoas fazem. Algumas dessas ações seria a conversa, expressar até mesmo emoções e fazer parte de uma interação social em que eles sejam úteis para alguma coisa, nem que seja para fazer companhia.

Com as gigantes de tecnologia que dia após dia estão investindo e fazendo parcerias para avançar no ramo da robótica, os andróides dessa geração começam a ter espaço maior no mercado. Com um aspecto simpático e um design inovador, a habilidade de reagir aos chamados humanos dos andróides está progredindo.

De acordo com a consultoria P&S Market Research, esse é um ramo que tem futuro, estima-se que em 2022, o mercado de robôs pessoais possa gerar um movimento de US$ 34 bilhões. São diversas as utilidades que podem ser atribuídas aos robôs, como apenas servir de entretenimento com a presença, ou então exercer atividades nas áreas de saúde, cuidados pessoais e atendimento.

De acordo com a vice-presidente de pesquisas da consultoria Gartner, With Andrews, tarefas que exigem uma alta repetitividade como recepcionistas, são exemplos de ações que os robôs poderão fazer no lugar dos seres humanos. O cuidado com idosos é outra área que pode ser preenchida pelos robôs para suprir a falta no mercado.

Entre os robôs produzidos para despertar o sentimento de simpatia, estão os modelos considerados fofos: Jibo, Aibo, Kuri e Buddy, que foram projetados para fazer parte do ambiente familiar, como apresentados pela ficção. A Blue Frog, fabricante francesa do Buddy, teve a sua origem nos filmes de Star Wars que gerou o desejo no criador de ter um R2D2.

Os robôs domésticos em geral podem fazer funções semelhantes como correr, dançar, ao reconhecer os usuários podem expressar sentimentos como tristeza, surpresa ou animação, falar algumas frases e até mesmo imitar um latido. Quem quiser ter um contato com uma máquina dessas terá um entretenimento a mais, entre os diversos disponíveis pela tecnologia.